Conceitos
Segurança da Informação

VPN: entenda antes de usar

Por Welson Lima Jr | 02.05.24
VPN: entenda antes de usar

Nos últimos anos, a busca por VPN (Rede Virtual Privada) tem revelado picos no Brasil. Segundo estudos, em 2022, a demanda subiu 1.000% devido à Copa do Mundo. Em 2023, após o bloqueio do Telegram, e em 2024,  a procura novamente aumentou quando Elon Musk divulgou instruções sobre como instalar essa tecnologia

No entanto, apesar de sua popularidade, nem sempre as pessoas entendem os conceitos por trás dessa ferramenta e isso pode estar expondo-as a riscos desnecessários e pior, às vezes, dando uma falsa sensação de segurança e privacidade. 

Neste artigo, vamos explicar o que é uma VPN, o que a torna segura e os seus tipos.

1. O que é uma VPN?

VPN é a sigla para Virtual Private Network – que significa redes virtuais privadas, em português. Como o nome sugere, a VPN é uma ferramenta que oferece proteção aos dispositivos durante a navegação na internet, garantindo privacidade e segurança no tráfego de dados.

Essa rede virtual privada cria uma conexão a princípio segura e criptografada entre seu dispositivo (como um computador ou smartphone) e um servidor remoto. Essa conexão seria como um “túnel privado” que protege seus dados de olhares indiscretos, seja em redes Wi-Fi públicas ou em conexões de internet menos seguras. Dessa forma dificulta monitorar o seu comportamento online e ainda oculta, “mascara”, a localização e o endereço de IP (Internet Protocol) do dispositivo. Isso acontece porque, antes de chegar à internet, a conexão passa por servidores remotos, que estão espalhados em diversos locais do mundo.

Esse sistema é muito útil para empresas e usuários para manter sua privacidade, mas é importante estar atento a que tipo de protocolo será essa criptografia e como e quantos são esses servidores para não expor a riscos. 

2. Os riscos de escolher a VPN errada

Ao escolher uma VPN errada, aquilo que era para ser um ambiente que ampliava a segurança pode resultar na falsa sensação dessa e acabar expondo seus dados, deixar a sua conexão lenta, limitar os conteúdos web ou até mesmo redirecioná-lo para sites maliciosos, infectar com malware, malvertising e exposição excessiva a anúncios.

Claro que isso é mais comum em VPN gratuitas, ou com pagamento único, pois para manter a infraestrutura são necessários recursos e alguns fazem isso vendendo seus dados confidenciais, o que é o oposto de melhorar sua privacidade.

Mas o perigo não mora apenas na má intenção de parceiros. No final de 2022, uma falha na configuração de uma VPN permitiu um ataque hacker a servidores de hospitais e empresas de saúde pública nos Estados Unidos, sabe o resultado? Dados confidenciais de pacientes foram roubados e, após, comercializados na Darknet. Um único registro era vendido por até US$ 60 (R$ 318).

Ou seja, é importante entender o que torna um parceiro de VPN seguro.

3. Como escolher uma VPN segura? 

Abaixo listamos os principais elementos a serem analisados na escolha do seu VPN 

3.1 Protocolos seguros

Protocolos VPN é o conjunto de regras que definem como configurar uma rede privada virtual.

Os mais seguros são o WireGuard (tecnologia relativamente nova no mundo das VPNs e que é combinação única de eficiência, segurança e simplicidade)  o IKEv2/IPSec (combinação confiável para VPNs, oferecendo roteamento seguro e estabelecimento de conexão robusta, ideal para usuários móveis e corporativos) e o OpenVPN (protocolo VPN confiável e amplamente utilizado devido à sua segurança e estabilidade). 

Mas tem outros dois nem tão seguros que são: L2TP (que tem uma camada adicional de segurança para VPNs, embora sua velocidade possa ser comprometida) e o PPTP (protocolo VPN mais antigo, conhecido por suas falhas de segurança e desatualização)

3.2 Política contra registros

Ou seja, escolha políticas que não armazenam nenhum registro de suas localizações ou atividades online.

Dados como seu endereço IP, histórico de navegação, largura de banda, informações de sessões, tráfego de rede ou carimbos de data e hora de conexões não precisam nem devem ser armazenados em nenhum local.

Então, certifique-se sempre de que a VPN que você usa tem uma política rigorosa sobre isso!

3.3 Kill Switch

Ter essa função é uma camada de segurança importante em VPNs pois ela faz com que  caso a conexão VPN caia, automaticamente seja desconectado da internet. Dessa forma  seus dados não serão expostos na rede pública não segura. 

3.4 Servidores somente RAM

Servidores RAM também podem ser chamados de memórias voláteis. Com o funcionamento apenas nelas garantem que nenhuma informação seja armazenada permanentemente no disco rígido do servidor, reduzindo significativamente o risco de vazamento de dados em caso de acesso não autorizado, além de que nenhum dado pode ser fisicamente removido dos servidores.

3.5 Autenticação de dois fatores

Um serviço de VPN confiável deve sempre manter suas informações protegidas, e oferecer a autenticação em 2 fatores é excelente nesse sentido.

3.6 Histórico do provedor da VPN

Como qualquer parceiro é importante fazer uma pesquisa rápida sobre o histórico desse. Quando se trata de serviços de privacidade, ainda mais então. Descubra se houve casos de vazamentos, incidentes ou atividades questionáveis relatadas. Escolher uma empresa conceituada para ter uma VPN mais segura é fundamental.

3.7 O país da sede do provedor

Empresas devem cumprir a legislações locais dos países e isso inclui os VPNs. Então esteja alerta a isso pois certos países já baniram VPNs completamente ou permitiram somente as que cooperassem com o governo. Então, escolher uma VPN que vem de um desses países pode não ser tão bom. 

4. Quais são os tipos de VPNs 

Existem vários tipos de VPNs, que são geralmente baseadas em práticas comuns da indústria de segurança cibernética e nas necessidades específicas dos usuários e das organizações. Cada um desses tipos tem as suas características específicas e vamos descrever abaixo:

4.1. VPNs de Acesso Remoto

Essas VPNs permitem que usuários autorizados e conectados à internet, independentemente do local em que esteja, acesse aplicativos, pastas, documentos e dispositivos da organização. Tudo isso por meio de um sistema que usa a criptografia para garantir a segurança.

Quais as vantagens:

  • Permite que funcionários acessem a rede corporativa de qualquer lugar, a qualquer momento. Ótimo para trabalho remoto
  • Criptografia do tráfego de dados, garantindo a proteção das informações confidenciais da empresa.
  • Geralmente são fáceis de configurar e usar.

4.2. VPNs Site a Site

Este tipo de VPN garante uma troca de informações segura dentro de uma empresa que opera em localizações distintas, por exemplo, a matriz de uma empresa e suas filiais, quando elas precisam utilizar os mesmos sistemas e acessar as mesmas informações. 

Quais as vantagens:

  • Conecta diversos pontos de internet a uma única rede local de forma segura. 
  • Criptografa e transmite informações com segurança
  • Não é preciso que cada dispositivo tenha uma VPN instalada

Observações 

  • Não funciona tão bem para funcionários trabalhando remotamente em suas casas. É mais adequada quando há vários funcionários trabalhando em diferentes escritórios ou filiais
  • VPNs site to site podem ser um pouco mais complexas de instalar e utilizar do que VPN de acesso remoto.

4.3. VPNs Pessoais

A maioria das VPNs de nível de consumidor são classificadas como VPNs pessoais. Elas são muito semelhantes às VPNs de acesso remoto em operação, mas, ao invés de se conectar a uma rede restrita proprietária (como seu local de trabalho), você se conecta aos servidores do seu provedor de VPN para proteção e privacidade enquanto navega na Internet.

Quais as vantagens:

  • Protegem a privacidade dos usuários ao criptografar seu tráfego de internet, impedindo que terceiros monitorem suas atividades online.
  • Permitem que os usuários acessem conteúdo geograficamente restrito, como serviços de streaming ou sites bloqueados em determinadas regiões.
  • Oferecem segurança adicional ao usar redes Wi-Fi públicas em locais como cafés, aeroportos ou hotéis.

4.4. VPNs Corporativas

VPNs corporativas coincidem em grande parte com as VPNs de acesso remoto e site a site. Afinal, elas oferecem recursos atraentes para as empresas — e a configuração precisa de recursos que geralmente só uma empresa consegue dominar. No entanto, a VPN de controle de acesso é um outro tipo de VPN que fica na alçada da VPN corporativa.

Quais as vantagens:

  • Permitem que as empresas controlem quem pode acessar sua rede e quais recursos estão disponíveis para cada usuário.
  • Oferecem recursos de segurança avançados, como autenticação de dois fatores, firewalls integrados e monitoramento de tráfego.
  • Ajudam as empresas a cumprir regulamentações de segurança e privacidade, garantindo que seus dados estejam protegidos e em conformidade com as leis aplicáveis.

5. Conclusão

VPN é uma ferramenta que garante proteção dos dados durante a navegação online, no entanto, é necessário ter cuidado ao escolher a sua para garantir que os servidores e  protocolos realmente tragam essas camadas de proteção.

Principalmente as pessoas físicas que se arriscam mais usando VPNs genéricas, tome cuidado ao acessar dados sensíveis, como informações bancárias e senhas.

Em caso de dúvidas, nossa equipe de especialistas terá prazer em ajudar.

Especialistas

FALE COM UM ESPECIALISTA
Como podemos ajudar a sua empresa a melhorar a Gestão de Telecom?

Preencha o formulário e reserve uma data e hora na nossa agenda

Avatar Welson Lima Jr

Por

Welson Lima Jr


Estou no time de marketing da VC-X, falando sobre Telecom e TI desde outubro de 2021. 😊

wid.studio